terça-feira, 18 de outubro de 2011

Acusados de participação na morte do sindicalista serão julgados pela 2ª Vara do Júri de Belém, nesta quinta, 20/10.

O fazendeiro Alexandre Manoel Trevisan, conhecido como Maneco, Márcio Antonio Sator, também conhecido como Márcio Cascavel e Juvenal Oliveira da Rocha (o Parazinho) serão submetidos a júri popular nesta quinta-feira, 20, sob a presidência do juiz Raimundo Moisés ALves Flexa, titular da 2ª Vara do Tribunal do Júri de Belém. Os três réus são acusados de executar, após sessão de tortura, o sindicalista Bartolomeu Moraes da Silva, conhecido por Brasília, assassinado aos 44 anos de idade, na madrugada do dia 23 de julho de 2002, na localidade de Castelo dos Sonhos, Município de Altamira, na região sudoeste do Pará.

A sessão está marcada para iniciar às 8h no plenário "Desembargador Elzaman Bittencourt", fórum Criminal da Capital, na Cidade Velha. Na acusação atuará o promotor de justiça Mário Brasil e, em defesa dos acusados, os advogados Marilda Cantal, Jorge Tangerino e Jânio Siqueira.

Este é o segundo júri dos acusados de matar o sindicalista, que atuava como delegado do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Altamira. Antes de ser executado, Brasília foi torturado, teve braços e pernas decepadas e recebeu vários disparos de arma de fogo na área da nuca e da cabeça.

No primeiro julgamento, realizado em 19/06/2009, o Conselho de Sentença do 2º Tribunal do Júri de Belém rejeitou a acusação por maioria de votos, não reconhecendo os três acusados como responsáveis pelo crime. Houve recurso de apelação que resultou na anulação do julgamento. Meses antes de ser morto o sindicalista denunciou as ameaças anônimas de morte, afirmando que se alguma coisa lhe acontecesse os responsáveis seriam fazendeiros e madeireiros da região de Altamira.

Fonte: TJPA
Texto Glória Lima

Nenhum comentário:

Postar um comentário